19 de fev de 2011

Preços agrícolas sobem 1,18% na segunda quadrissemana de fevereiro


Notícia da Assessoria de Comunicação da APTA:
O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR), que mede os preços pagos ao produtor rural, subiu 1,18% na segunda quadrissemana de fevereiro, de acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA)  da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. O índice de preços dos produtos de origem vegetal aumentou bem acima do índice geral, ou seja, 3,18%, enquanto o índice de preços dos produtos de origem animal caiu 3,80%.

Dos produtos analisados, 10 produtos apresentaram alta nos preços (nove de origem vegetal e um de origem animal), enquanto oito produtos sofreram queda (três de origem vegetal e cinco de origem animal). As altas mais expressivas ocorreram nos preços do tomate (38,35%); da laranja para mesa (14,04%); do café (8,93%) e dos ovos (5,67%).

Os preços do tomate subiram por conta das chuvas continuadas, que geraram perdas de colheita, com impacto conjuntural no abastecimento do produto numa situação de demanda aquecida e safra menor, dizem os pesquisadores Luis Henrique Perez, Danton Leonel de Camargo Bini, Eder Pinatti, José Alberto Angelo e José Sidnei Gonçalves. Já os preços da laranja de mesa refletem o impacto da demanda típica do verão sobre o consumo de sucos naturais, numa conjuntura de menor oferta. “Além disso, há a pressão da entressafra ´fisiológica da planta´, ofertando menor quantidade de frutas.”

Os preços do café elevaram-se devido às pressões da demanda internacional e aos menores estoques mundiais, segundo os analistas do IEA. Também no mercado interno houve crescimento do consumo, inclusive de cafés de melhor qualidade, o que impactou os preços.

A menor oferta de ovos, explicam os pesquisadores, foi desproporcional à conjuntura anterior de preços baixos, associada à pressão de demanda, em especial pela agroindústria de massas alimentícias e de panificação e confeitaria com a proximidade da páscoa e o incremento do consumo.

As quedas mais relevantes foram verificadas nos preços da banana (34,81%); da carne suína (16,23%); do arroz (11,41%); da carne de frango (6,81%) e do feijão (4,06%).

A íntegra da análise está disponível em http://www.iea.sp.gov.br.

 ---


Com mais uma alta nos preços agrícolas, podemos concluir que os preços das commodities estão subindo e a chiadeira é geral, tirando os produtores, é claro! Já tem empresa por aí querendo repassar a alta nos custos para frente, com aumento de até 20%.


A grade pergunta do momento é: o que está acontecendo? Então vamos ver a entrevista do Dr. Sidnei, do IEA, que na semana passada falou sobre o fechamento da quadrissemana de janeiro.